Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Miss Messy

Miss Messy

É preciso surpreender!

Duvido que haja alguém neste mundo que goste mais de ser surpreendido que eu. Duvido. Adoro ser surpreendida, adoro toda aquela excitação em torno de uma surpresa, adoro quando sou surpreendida só porque sim, sem datas, sem comemorações especiais, adoro uma boa surpresa só porque o outro lado sabe que adoro surpresas e gosta de me ver feliz adoro, adoro, adoro.

Na minha opinião, uma boa surpresa acaba sempre por dar o ar da sua graça e de deixar qualquer coração derretido, já para não falar que acaba sempre por ser uma boa forma de declarar amor à cara metade.

Eu adoro toda esta questão que envolve o amor e a surpresa, mas sei que por outro lado, existe quem deteste ser surpreendido porque há por aí muito boa gente que odeia não conseguir controlar todos os momentos do seu dia ou não gosta simplesmente de não estar a par de todas as situações. Eu já namorei com uma personagem assim. Namorámos cerca de 5 anos e só quatro anos de namoro depois é que eu descobri que uma surpresa de aniversário o podia tirar do sério. Ah pois é, e foi por pouco que não me tirou do sério a mim também e que não lhe espetei com o bolo que lhe tinha carinhosamente preparado na cara, tudo isto porque lhe fiz uma festa surpresa na moradia de uma amiga minha e convidei amigos dele/nossos. Uma festa que me deu um trabalhão desgraçado com comidas, bebidas, decoração, surpresas e afins e que quase foi pelo cano abaixo porque o senhor doutor percebeu que eu lhe estava a preparar alguma - no bom sentido - mas como queria saber a todo o custo do que se tratava ,ao invés de aparecer no local e hora marcada como combinado, resolveu começar a berrar ao telemóvel dizendo que odiava surpresas e que queria saber imediatamente do que se tratava. Como devem perceber, depois disto a minha vontade de lhe fazer o que quer que fosse acabou, assim como o meu sentimento por ele que começou a descambar daí em diante.

Para além de ser surpreendida, também adoro surpreender mas actualmente começo a achar que as pessoas cada vez mais se esquecem de o fazer e pior que isso, assimilam uma surpresa a dinheiro. Meus caros/as, desde quando é que para se surpreender alguém é necessário gastar dinheiro?

Sinceramente, há surpresas e surpresas e é por isso que eu as classifico em 3 tipos:

 

Surpresa sem custos

É aquele tipo de surpresa que rasga um sorriso na cara de qualquer um e que é à borlix! Às vezes bastam uns quantos bocados de papel espalhados pela casa cheios de frases românticas; outras vezes basta uma flor apanhada do jardim; frases escritas no espelho de uma casa de banho; uma carta deixada dentro da mala ou da carteira. É algo que sabe sempre bem e que pode muito bem ser feito sem ter de se gastar um cêntimo que seja.

 

jj.png

 

 

Surpresa em conta

É um outro tipo de surpresa simpático/romântico e que cai sempre bem. Tão simples como encher a casa de velas para criar um ambiente acolhedor para se poder estar com a cara metade, mais que não seja, um ambiente para se declarar mais uma vez o amor que se sente pelo outro; aparecer no trabalho/em casa com um ramo de flores ou bombons - nunca fica fora de moda. Outra ideia é comprar bilhetes para o teatro, para o jogo de futebol X - deixem de lado a típica pergunta "então o que é que queres fazer hoje" ou "queres ir ao sitio X?" comprem masé, surpreendam e digam "comprei isto para nós, vamos?" e vão ver que vai ser uma boa surpresa para a outra pessoa. Outra boa surpresa é preparar um jantarzinho romântico, cheio de velas e não vale a pena dar a desculpa do não saber cozinhar porque hoje em dia já se compra muita coisa feita! Até um balãozinho cheio de mensagens românticas pode fazer toda a diferença...

 

hjh.png

 

 

Surpresa dispendiosa

A surpresa dispendiosa pode ir de um valor dito normal a um valor mais esbanjador, mas muito de vez em quando, é bom fazer uma surpresa destas.

Surpreender com um jantar num restaurante romântico cai sempre bem, nem que seja apenas uma vez na vida. Pelo menos para nós mulheres, não há nada como ouvir o típico "vai te vestir, vou-te levar a um sítio especial"! É sempre bom porque, primeiro, é menos um jantar a fazer e segundo é algo digno de filmes de Hollywood. Melhor que isso, e para ser mesmo à filme, só mesmo ser presenteada - no caso das mulheres - juntamente com o convite para jantar, com um lindo vestido para usar nesta saída romântica ou com uma jóia para pôr. Mas como para a maioria das pessoas isto já é "demasiado", há outras ideias. Estar atento é sempre uma boa opção. Perceber o que a outra pessoa gosta, o que a outra pessoa quer. Ás vezes podem ser coisas tão simples como uma camisa que ele viu e gostou mas não comprou, como um livro, como um cd e depois podem ser coisas mais caras como um relógio que vimos ao passar na esquina e achámos que ele poderia gostar, um par de ténis, uma jóia que ele viu -  ou outra coisa qualquer - e achou que era a nossa cara. Pode ser também um fim-de-semana romântico num lado qualquer, ou uma simples entrega de flores por um estafeta no local de trabalho com um bilhete romântico agarrado. Até um belo de um champagne em casa com um bom ambiente, uns moranguinhos e uma boa música pode ser uma boa opção.

 

hjfj.png

 

 

Surpresas há muitas e independentemente de não terem custos, de serem em conta ou mais dispendiosas, o importante é querer surpreender, independentemente de ser para ele ou para ela. E não vale a pena gostar de ser surpreendido e não fazer nada em troca porque a longo prazo, a outra pessoa acaba por se fartar e acabar com a brincadeira.

As boas surpresas não são aquelas que são feitas no dia dos namorados ou nos aniversários; as boas surpresas são aquelas que são feitas sem qualquer motivo, só porque sim.

Aos que não gostam de surpresas - nem de as fazer nem de as receber - não sabem o que perdem!

 

Desse lado, alguma dica?

 

Veneza

Sempre me considerei mega romântica e como tal, visitar Veneza com o meu mais que tudo sempre esteve na minha lista de sonhos. O ano passado finalmente lá arranjei umas fériazinhas para lá dar um saltinho e posso-vos dizer que adorei a cidade! Toda ela muito romântica, muito característica, muito única; já no que diz respeito ao povo italiano, garanto-vos que me desiludiu bastante. Achei-os muito pouco prestáveis, pouco atenciosos e muitas vezes bastante rudes - principalmente a dar informações. O inglês deles também não era grande coisa e também não fizeram grande esforço para nos entender, enfim, talvez tenha sido falta de sorte, de qualquer forma a pouca simpatia deles não estragou as minhas férias.  

Veneza é uma ilha muito pequena e é facilmente vista em dois dias.

G0045942.JPG

G0135999.JPG

G0105987.jpg

 

Durante o dia é bom dar uma voltinha para atravessar as belas pontes que ligam os canais; andar de gôndola (pelo menos  uma vez porque cada viagem são cerca de 120€ no grande canal e 70€ nos canais mais pequenos); namorar muito; beber um café na Praça de São Marco; comer gelados (são divinais); voltar a namorar muito; para quem gosta de museus e igrejas também lá pode dar um saltinho; dar mais umas quantas voltinhas e mais uma vez namorar muito. Na minha opinião, Veneza é a típica cidade que se visita quando se está muito "in love" e se quer aproveitar todos os cantinhos românticos, todas os canais rústicos e todas as esplanadas com música para namorar - tão romântica que até encontrei um casal de noivos na ponte - até porque a cidade durante o dia não tem assim tanto que visitar e a vida nocturna é muito pobrezinha e com pouca vida.

G0105981.JPG

G0156007 (1).JPG

G0166020.JPG

 

Estive em Veneza em Fevereiro do ano passado e considerando a altura em que fui tive bastante sorte com o tempo. Não choveu, esteve quase sempre sol, e tendo em conta que não estava calor, os canais não cheiravam a esgoto - quem lá esteve no Verão com muito calor diz que o cheiro se torna insuportável. 

Relativamente ao "onde ficar", os melhores hotéis são caríssimos (como devem imaginar). Esta viagem foi marcada tão em cima da hora que fui sem hotel marcado, sem roteiro para visitar, sem nada. A única coisa que tinha era um bilhete de avião comprado 2 dias antes, roupa e muita aventura e romance à flor da pele! Mal aterramos em Veneza, reservamos através da Booking um hotel de 70€ a noite pertinho da Praça de São Marco. Era um 3 estrelas, nada de muito por aí além mas tendo em conta a localização e os preços do sítio até considerei um bom achado.

G0196048.jpg

G0196045.png

G0196042.JPG

G0166021.JPG

 

Foram dois dias muito bem passados em Veneza, dois dias de muito amor e muito romance, depois disso, e sem mais nada que ver nesta bela cidade, apanhamos o comboio em Veneza Mestre rumo a Triestre para apanhar um autocarro com destino à Eslovénia...

 

Opostos atraem-se, mas será que se suportam?

untitled.png

 

Uma relação a dois, por muito que tenha os seus altos e baixos, só é realmente testada quando duas pessoas aceitam viver em conjunto debaixo do mesmo teto.

Uma ex-colega de faculdade que não dispensava uma ida ao café todas as noites depois do jantar, uma boa saída à noite, um bom programa de fim-de-semana cheio de adrenalina e outras coisas mais típicas de alguém com uma personalidade "vivaça" começou a namorar com um rapaz pacato que não gosta de cafés, que não tem paciência para noitadas e que não é muito dado à adrenalina. Inicialmente, tudo parecia ser perfeitamente aceitável porque na opinião dela, tal como dizia o velho ditado, os opostos atraem-se e o amor no fundo é o que prevalece. Por este motivo decidiram à uns meses arrendar uma casa juntos, viver uma nova fase e testar se esta teoria lhes assentava que nem uma luva. 

Recentemente encontrei-me com ela. Achei-a um pouco desanimada e apenas muitos dedos de conversa depois, consegui arrancar a saca-rolhas o motivo de todo aquele desânimo: afinal, os opostos podem atrair-se, mas nem sempre se suportam.

A minha ex-colega que estava habituada a fazer tudo, não fazia quase nada. Ele que era pacato - demasiado pacato - não gostava de fazer grande coisa, nem de conviver em jantares, saídas com amigos e afins e preferia ao invés de tudo isso, ficar em casa a jogar Ps4, ver séries e dormir. Ainda tentei perceber junto dela se não poderiam falar sobre o assunto e tentar arranjar uma forma de ambos fazerem algo que gostassem em conjunto mas acabei por perceber que ela já se tinha acomodado. Fiquei triste por ela, não parecia a colega que em tempos me desafiava para tudo e mais alguma coisa sempre com uma energia contagiante.

Fiquei a pensar naquilo. Não percebo porque é que para muitas pessoas a palavra casal tem como sinónimo acomodação. Será assim tão irreal entender-se que uma vida a dois não é uma acomodação mas sim uma junção daquilo que duas pessoas fazem, gostam e querem partilhar com a cara metade? Acredito que numa relação nem todos gostem do mesmo e isso é mais do que aceitável, mas ninguém deverá abdicar de algo que quer ou que gosta em prol de outra pessoa se esta não estiver disposta a fazer o mesmo por ela.

Já dizia a jornalista Martha Medeiros:

 

" Ninguém sabe direito o que é felicidade,
mas, definitivamente, não é acomodação.
Acomodar-se é o mesmo que fazer
uma longa viagem no piloto automático.
Muito seguro, mas que aborrecimento.
É preciso um pouquinho de turbulência
para a gente acordar e sentir alguma coisa,
nem que seja medo."

 

 

 

A paciência do amor

As relações amorosas podem ser equiparadas a uma montanha russa porque - para além do famoso cliché de que uma

untitled.pngrelação traz consigo um turbilhão de sentimentos - ou adoramos e ficamos com a adrenalina em alta ou ficamos enjoados e desiludidos e não queremos voltar tão depressa.

 

Gostar de uma pessoa é gostar de uma série de coisas nela mas é também ter paciência para aquilo que é menos bom.

 

O início de uma relação é sempre fantástico, tudo é cor-de-rosa, o sol brilha e os passarinhos cantam. No entanto, com o passar do tempo, vêm à tona os defeitos e as coisas menos boas e é nesse momento que o significado da palavra gostar ganha sentido e a partir daí, existem apenas duas opções: ou se dá um chuto naquele amor e mandamo-lo pela janela ou continuamos e aprendemos o significado da palavra paciência.

 

Ter paciência é acima de tudo acreditar que vale a pena porque se não vale a pena não merece o esforço nem a dedicação.

Na minha singela opinião, a paciência pode ser considerada uma virtude, ou como se costuma dizer "aquele que tem paciência alcançará o que deseja", ou ainda que "o paciente é o mais forte". Eu não discordo de todo com estas afirmações, só que, no que diz respeito às relações, existem alguns limites e ter paciência pode ser bom mas também se pode tornar, a longo prazo, em algo desgastante. As relações são muito frágeis e podem facilmente entrar em conflito quando nos é difícil aceitar que a outra pessoa possa ter pensamentos diferentes dos nossos, hábitos completamente distintos e formas opostas de agir porque à medida que as relações se intensificam, as pessoas passam a exibir quem realmente são. Apesar de todas as diferenças, as coisas podem dar certo, só é preciso que um e outro se sintam amparados nas suas inquietações, estejam dispostos a ensinar e a aprender a confiar, a respeitar as diferenças que há entre os dois, e no fim, fazer com tudo sirva para que os dois se divirtam e estejam em harmonia, mesmo em casa -principalmente em casa -.  Por isso caríssimos e caríssimas, tenham paciência mas não abusem em demasia da vossa nem da dos outros porque ela não é de ferro, não mintam e respeitem se também querem ser respeitados. 

O que é realmente importante é querermos fortalecer as relações com o máximo possível de clareza, maturidade e perceber que não existe o lado A ou o lado B porque no fundo, estar numa relação, é jogar na mesma equipa.

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.