Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Miss Messy

Miss Messy

Um AVC no comboio

 Todos nós estamos sujeitos a lidar com situações de emergência, quer sejam por lesões, acidentes, doenças crónicas ou doenças inesperadas. A grande maioria, julga que, ao se deparar com uma situação de emergência, sabe perfeitamente o que fazer, mas será que no momento sabemos mesmo como agir?

Há dias a minha mana ligou-me muito aflita. No comboio onde seguia, um dos passageiros com cerca de 35 anos de idade, começou a sentir-se mal. Estava muito suado, mal disposto e com fortes dores no peito. Enquanto um dos passageiros ligava para o 112, o senhor perdeu os sentidos e caiu para o lado. Ao se aperceberem da gravidade da situação, a maioria das pessoas entrou em pânico. Alguns palpites - quem sabe se mais certeiros - pediam para colocar o Sr. de lado enquanto lhe molhavam as mãos com água fria. É certo que todos tentavam ajudar, mas a incerteza do que seria o mais correcto a fazer pairava no ar.

A equipa do INEM chegou dez minutos depois. Começaram por fazer uma massagem cardíaca mas ao se aperceberem de que o senhor já se encontrava em paragem cardiorespiratória, evacuaram toda a carruagem e com a ajuda de um desfibrilador, deram início à reanimação.

Segundo um dos polícias que aguardava cá fora junto dos restantes passageiros, já não havia muito a fazer, tinha sido tarde demais. O senhor tido tido um AVC e não havia sobrevivido - mas cada um ali presente, mandou a sua posta de pescada sobre o desfecho do assunto. Se o senhor sobreviveu ou não, a minha mana não sabe. Espero que sim. Segundo ela, foi levado para dentro da ambulância e nunca mais se soube de nada.

 

A verdade é que toda esta história me fez pensar. Se eu lá estivesse, o que mais poderia fazer?

O mais correcto seria iniciar uma massagem cardiorespiratória manual no entanto, a falta de experiência e sabedoria sobre o assunto, deixar-me-ia petrificada e esse meus amigos, é o problema que a grande maioria de nós enfrenta ao se deparar com uma situação destas.

Recordo-me da minha tia me contar que, num passeio que fez pela Serra da Estrela, se deparou com uma mãe num desespero total ao ver a filha de 8 meses engasgada com leite. A minha tia por sorte, tinha tirado um curso de primeiros socorros e conseguiu auxiliar aquela mãe desesperada com a bebé já roxa nos braços, mas a maioria das pessoas, estavam consumidas pelo pânico sem saberem o que fazer. 

 

Se um curso de primeiros socorros é assim tão importante, não seria bom implementa-lo como disciplina obrigatória do ensino básico/secundário?

Enquanto andei na escola, deparei-me com tanta disciplina e tanta matéria desinteressante que actualmente em nada contribui para a minha vida ou para o meu desempenho social que, julgo que isto, faria todo o sentido uma vez que, em muitas escolas da Europa, este já é um curso que faz parte do plano curricular.

Com tantas leis descabidas, bem que o Ministério da Educação poderia reflectir seriamente sobre este assunto e, quem sabe, implementar uma nova disciplina de suporte básico de vida...

Quem sabe quantas vidas poderiam ser salvas se nos conseguíssemos aperceber e agir a tempo de as socorrer?

 

 

18 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Mensagens

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.